Praia Fluvial Nossa Senhora da Piedade a 3 Km da Lousã

5.00 avg. rating (96% score) - 2 votes

Piscina Natural da Senhora da Piedade na LousãPraia Fluvial da Srª da Piedade fica situada na lindíssima Serra da Lousã, muito perto do centro da Lousã. A ribeira que lhe dá as águas cristalinas e de qualidade ímpar é a na ribeira de São João. Ao seu redor é tudo construído em xisto…

Ao redor da zona balnear da Senhora da Piedade, é como num conto de fadas, com a Ermida Nossa Senhora da Piedade (que é daqui que vem o nome da praia

fluvial) de um lado e o imponente Castelo da Lousã (ou Castelo de Arouce) do outro lado, a envolver num verdejante em todo o seu redor com pequenas cascatas, passadiços, percursos pedestres e locais para explorar.

Placa inauguração da Praia Fluvial da Nossa Senhora da PiedadePiscina Fluvial de Nossa Senhora da Piedade foi Inaugurada em 8 de maio de 1966 e construída no mandato de Manuel Magalhães Mexia, por proposta da Comissão Municipal de Turismo, presidida por João Fernandes do Almeida (sobrinho), com projeto elaborado por Hermegenildo  Campos Curvelo.

Se vai de visita pela Lousã, mesmo que não seja no verão este é uma local mágico que deve ir, mas se for no verão com a praia fluvial em todo o seu esplendor vai ficar maravilhado com o ambiente natural desta praia fluvial e toda a sua envolvência.

No que respeita a infra-estruturas esta é mais uma praia fluvial das aldeias do xisto por isso está mito bem equipada e tem Bandeira Azul e é classificada como Praia Acessível, apesar de ser na Serra da Lousã.

Praia Fluvial da Nossa Senhora da Piedade

Infra Estruturas da Praia Fluvial Srª da Piedade

  • Praia Fluvial com Bandeira Azul
  • Praia Acessível a todos
  • Praia com qualidade de Ouro
  • Bar/Restaurante com esplanada com vista sobre a praia fluvial e o Castelo – O Burgo
  • Piscina Fluvial para Adultos
  • Piscina Fluvial para crianças
  • Chuveiros ao lado da piscina
  • Zona de Saltos para a água
  • Sanitários com Chuveiros e para pessoas incapacitadas.
  • Santuário da Praia Fluvial e restaurante da Nossa Senhora da Piedade na LousãNossa Senhora da Piedade
  • Castelo da Lousã
  • Estacionamento para pessoas incapacitadas ao lado da praia – Também tem mais alguns lugares mas poucos. Tem um semáforo a avisar quando o estacionamento está cheio e aí terá de estacionar na zona do Castelo.
  • Fonte de água Potável – Fonte da Esperança
  • Percursos Pedestres em Xisto na envolvente da praia.
  • Parque com Mesas para merendas com sombras
  • Percursos Pedestres de Pequenas Rotas – Talasnal e Candal

Localização da Praia Fluvial da Lousã

Para chegar á praia fluvial da Srª da Piedade é muito fácil, basta apanhar á A13 e sair na saída da Lousã/Miranda do Corvo ou pela A1 e sair para Coimbra e seguir pela N17 (Estada da Beira) em  direcção á Lousã. Uma vez na Lousã tem indicações para a praia fluvial. As coordenadas GPS são: 40.100157, -8.234096 ou 40°06’00.6″N 8°14’02.8″W

Video da Beleza da Praia Fluvial da Nossa senhora da Piedade e sua envolvente

O complexo natural e paisagístico da Sra da Piedade encontra-se num vale quase encantado onde, junto ao rio que ali corre, se erguem escarpas altivas encimadas por um complexo religioso de grande beleza, a cujos pés se destacam as piscinas fluviais. Na outra margem, vislumbra-se um morro encimado por um castelo medieval que remonta ao século XI.

Imagens da Praia da Senhora da Piedade e envolvente de natureza, religião e história

Praia Fluvial Senhora da Piedade
Restaurante da Praia Fluvial da Srª da Piedade
Piscina Fluvial da Nossa Senhora da PiedadePiscina Natural Fluvial da Lousã
Praia Fluvial Sra. da Piedade na Serra da Lousã
Piscina fluvial natural na ribeira de S. João, num local deslumbrante caracterizado pelas Ermidas de Na Sra. Piedade e o Castelo da Lousã, antigo burgo medieval.A praia e a envolvente tem inúmeros recantos propícios para descansar, merendar ou sonhar com as lendas da Princesa Peralta.

Piscina Natura da Nossa Senhora da PiedadePraia da Senhora da Piedade

Placa inauguração da Praia Fluvial da Nossa Senhora da Piedade
Piscina Fluvial da Ribeira
Piscina Fluvial Para adultos
Fonte de água
Açude da Senhora da Piedade
Local para saltos para a água
Entrada para para saltos para a água

Piscina natural da Lousã

Caminhos de Xisto
Zona verdejante envolvente
Acesso para cadeiras de rodas
Acesso para cadeiras de rodas
Acesso para pessoas em cadeiras de rodas
Mesas para merendas
Praia da Piedade
escadas de acesso á piscina fluvial
Ponte sobre a ribeira
Sanitários
Chuveiros Exteriores
Chuveiros Interiores
Sinais de proibições
Percursos pedestres em xisto Cascata de água da Ribeira de São João
Casa Rural ao lado da praia
Tronco por cima da Ribeira Entrada para a ermida
Mesa de Pedra com vista para a cascata

Restaurante O Burgo

Burgo - restaurante Típico
O Burgo” dedica-se à cozinha regional. No local de uma antiga azenha, esta é uma casinha típica colorida a amarelo e povoada de objectos emblemáticos da região, com janelas sobre a serra da Lousã, debruçadas sobre jardins e arvoredos que fazem companhia nas refeições.
esplanada do restaurante BurgoInformações do Restaurante Burgo
Ementa e preços do restaurante "O Burgo"

Placas de Informação da Praia

Património Natural da serra da Lousã

A Serra da Lousã alberga comunidades vegetais e animais relevantes em termos de biodiversidade e vegetal conservação da Natureza incluídas em Directivas Nacionais e Internacionais, que as protegem integralmente, bem como aos seus habitais. Destacam-se a fetusca, o narciso, o ruivaço, a salamandra-lusitânica, o lagarto-de-água, a cegonha-preta, o tartanhão-caçador, o guarda-rios e a lontra.
Apesar da grande maioria da mancha florestal ser dominada pela vegetação gradualmente introduzida pelas políticas florestais mais recentes (pinheiro e o eucalipto) é ainda possível encontrar algumas manchas de coberto vegetal mediterrâneo (azinheira, carvalho português, sobreiro, medronheiro e plantas odoríferas nesta zona, principalmente junto ao leito das ribeiras.
Para além da fauna habitualmente encontrada nas zonas montanhosas nacionais, podemos nesta área observar a presença de dois cervídeos, o veado e o corso, fruto da sua reintrodução em 1996, e que apesar dos seus hábitos tímidos e territoriais, têm-se expandido um pouco por toda a serra.
Local
Praias Fluviais da aldeias do xisto
Praias Fluviais da aldeias do xisto

Parque de estacionamento

Zona de inversão de marcha no parque de estacionamento
Parque de Estacionamento

Parque de Estacionamento para pessoas deficientes

Entrada de carro para o estacionamento
Semáforos para avisar se o estacionamento está livre ou ocupado

Castelo da Lousã ou Castelo de Arouce

O Castelo de Arouce, também conhecido como Castelo da Lousã a partir do século XIV, foi construído em posição dominante, no topo de um monte escarpado na margem direita do rio Arouce. Apesar das muitas lendas que envolvem o castelo e a região, pouco sabemos de forma absolutamente segura.
O que parece poder comprovar-se é que Arouce (Anuz] já existia em 943, ano em que foi assinado um contrato entre Mestúlio, Abade do Mosteiro de Lorvão, e o Moçárabe Zuleima Abaiud.
Desconhece-se se a construção do Castelo data desta época. O que sabemos seguramente é que D. Sesnando Davides, a quem Fernando Magno, após conquista definitiva de Coimbra em 1064, entregou o governo de todo o território a sul do rio Douro, teve em Arouce uma intervenção profunda: povando a região, como ele próprio afirma no seu testamento, e na definição do castelo, pelo menos ao nível de melhoramentos, facto que uma análise cuidada comprova.
Em 1151 D. Afonso Henriques atribui carta de foral ao Castelo de Arouce promovendo dessa forma a consolidação do povoamento e a reorganização administrativa do território. Como qualquer castelo, também o de Arouce foi sendo atualizado de acordo com os avanços registados na arte da guerra.
Castelo da Lousã
Também conhecido como Castelo de Arouce, pertence a uma das primeiras linhas defensivas criadas para controlar os acessos meridionais a Coimbra na segunda metade do século XI. Nos primeiros tempos da monarquia, a localidade desempenhou um papel importante, a que não foi alheia a sua sua condição de vila de fronteira.
Em 1124 uma incursão islâmica tomou o  castelo e, de novo na posse do Condado Portucalense, foi agraciada com foral em 1151, por D. Afonso Henriques. De acordo com uma lenda antiga, na época da ocupação muçulmana o castelo terá sido erguido pelo emir (chefe árabe) Arunce, para a proteção de sua filha Peralta e dos seus tesouros após ter sido derrotado e expulso de Conimbriga.
Castelo da LousãTorre de Menagem do castelo da Lousã

A TORRE DE MENAGEM

Inovação introduzida em Portugal pelos templários na segunda metade do século XII era a torre mais importante de qualquer castelo, funcionando como último reduto defensivo.

O acesso ao interior fazia-se sempre ao nível do primeiro andar, através de uma escada, amovível ou através do adarve, por uma ponte de madeira. Recolhendo no seu interior a escada ou ponte, a torre tornava-se totalmente inacessível. Adossada à muralha, pelo lado externo, a torre de menagem da Lousã domina toda a vertente norte do castelo. O piso inferior da torre de menagem alberga uma cisterna onde se recolhia a água das chuvas, essencial à sobrevivência da guarnição militar. Estas reservas de água eram vitais em caso de cerco quando as tropas se encontravam impedidas de sair do castelo e de se abastecer noutros locais.

Placa de Informações
Obras
Placa do castelo da Lousã
Torre de Menagem

Castelos e Muralhas do Mondego

A LINHA DEFENSIVA DO MONDEGO
Quando em 1064 Fernando Magno, rei de Leão e Castela, conquista Coimbra, o rio Mondego assume-se como linha de fronteira entre dois mundos, o Cristão e o Muçulmano. Papel que cumprirá nos quase 100 anos seguintes, até que Lisboa seja conquistada e a fronteira desça para o Tejo.

À frente desse vasto território encontra-se o moçárabe Sanando Davides que, antes de oferecer os seus serviços ao monarca cristão, vivera na corte de al-Mutadid, em Sevilha, chegando a ocupar cargos importantes como o de alvazil.

Enquanto governador de Coimbra e do extenso território que a cidade encabeçava, Sanando teve um papel determinante, estimulando o povoamento, o cultivo de terras, o erguer de igrejas e a prioritária defesa da região! Aproveitando o rio Mondego e os seus principais . afluentes, criou uma guarda avançada de Coimbra pontuada por castelos e torres. Assim nasce a Linha Defensiva do Mondego, simultaneamente palco de confrontos e convivências!

Outros depois dele continuaram a fortalecer esta linha defensiva… D. Afonso Henriques, em Coimbra e Germanelo; Gualdim Pais, Mestre Templário, em Soure e Pombal… Hoje, a Rede de Castelos e Muralhas do Mondego procura construir um novo capítulo na história da Linha Defensiva do Mondego, criando, a partir do património material e imaterial, um produto cultural e turístico de excelência.

Castelos e Muralhas do Mondego
Placa dos Castelos e Muralhas do MondegoPercurso pedestre Talasnal
Este percurso evolui em grande parte nas encostas da Serra da Lousã e faz a ligação do Castelo da Lousã e Ermida de Nossa Senhora da Piedade com duas das mais emblemáticas Aldeias do Xisto desta serra, o Falasnal e o Casal Novo
É igualmente uma viagem no tempo, pois ao faz-lo repetimos os passos que os antigos habitantes destas aldeias serranas davam nos únicos acessos que tinham para descer à vila da Lousã.
O percurso é enquadrado quase sempre por vegetação e relativamente protegido em todas as estações do ano. Devido aos desníveis. um percurso com alguma exigência em termos físicos. no entanto possui uma variante que permite encurtar o seu trajecto
Percurso pedestre Talasnal
Rua José Augusto do Rego

Santuário da Ermida da Nossa Senhora Da Piedade

Placa para visitar o santuário
É um importante Santuário Mariano. São três as capelas, sendo a mais antiga, e de maior dimensão a Capela de S. João. construída entre os sécs. XIII e XIV. Possui um conjunto de esculturas do séc. XV e XVI talhadas em pedra de Ançã: S. João Baptista, S. João Evangelista, e S. Paio e ainda um frontal de altar em azulejos seiscentistas.
A completar o conjunto, a Capela da Agonia, edificada ida com no séc. XVIII e a Capela de Nossa Senhora da Piedade, no alto do morro de paredes caiadas de branco contrastando com o fundo verde-escuro da paisagem. É nesta capela que se encontra a imagem da Nossa Senhora da Piedade, que só descia à vila em ocasião de calamidade pública e aquando da criação da Irmandade de Nossa Senhora.
Entrada para o Santuário
Bem Vindo ao Santuário de Nossa Senhora da Piedade
Escadaria para o Santuário de Nossa Senhora da Piedade
Fonte da Vida no Santuário de Nossa Senhora da Piedade
Vista do restaurante
Vista do Castelo
Aos Lousanenses e Visitantes
Mesa para merendas
Santuário da Ermida da Nossa Senhora da Piedade
Placa em xisto
Dona Isabel de Aragão distribuindo esmolas
Adro Capela

Capela Senhora dos Aflitos

Em 1912 foi construída uma quarta Capela: a do Senhor dos Aflitos, situada no morro em frente ao Castelo. Esta pequena capela, em estilo neo-romântico com cantarias, tem um altar revivalista executado pelo escultor conimbricense João Machado.
Cruzeiro
Casa
Serra da Lousã
Adro do Santuário
Café bar do Santuário
barbecue
lava Loiças
placa de Xisto
placa de Xisto
casas de banho na ermida
Gruta
Gruta
Passadiço em Xisto
Grutas do Santuário da Nossa Senhora da Piedade
Passadiço em Xisto da Nossa Senhora da Piedade - Avertência
Passadiço em Xisto da Nossa Senhora da Piedade
Zona da Serra da Lousã na Praia Fluvial
ermida da Nossa Senhora da Piedade
Fonte da Esperança
Flores de Xisto
Mesas de Merendas
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Praia Fluvial do Vimieiro - S. Pedro de Alva, Penacova
Tagged , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.